domingo, 18 de maio de 2008

Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas

Ao fim de anos de sussurros e de insinuações, em que toda a gente sabia tudo mas ninguém confirmava nada, Mário Jardel decidiu revelar que teve um problema de dependência de drogas e que começou a consumir cocaína quando jogou em Portugal. Que Jardel queira fazer uma confissão pública dos seus vícios com o objectivo de obter a redenção dos fãs ou, prosaicamente, um emprego, é inteiramente com ele; mas que os jornalistas portugueses o tratem como um respeitável atleta merecedor de misericórdia, é totalmente connosco. Se a RTP, por exemplo, vai entrevistar Jardel, não é para se comover com o drama do "homem" ou com a desgraça da "família", mas para descobrir quem sabia do consumo de dorga: médicos, dirigentes do clube, responsáveis da Liga? Para saber quem encobriu a situação. Para perguntar de que forma conseguia a droga. Um dos principais jogadores do nosso campeonato fez a sua carreira a utilizar substâncias ilegais sem que fosse descoberto ou denunciado. Não foi castigado na altura e é premiado agora. Este País não aprende.

Sábado, A Direcção

E se fosse eu?

5 comentários:

Paulo Pedroso disse...

Muito bem apontado e melhor notado.

:-))

Pata Negra disse...

Não tenho postado outra coisa esta semana. Também o Rei dos Leittões está a mijar gasolina e tem uma imagem de arrepiar!
Um abraço com crude

Arrebenta disse...

Se fosse a menina, era convidada para o Ninho da Víbora, e acreditava que tinha sido eu.
É por isso que eu agora já só bebo Cognc com 200anos, caríssimo, mas após dois cálices ficamos com a clarividência de Vítor Constâncio...

Joana Dalila Santos disse...

Arrebenta a minha ingenuidade traiu-me... desculpa*

Å®t Øf £övë disse...

Se fosse tu, como não "vendes" com toda a certeza que estavas para aí atirada numa qualquer sarjeta. A vida é demasiado cruel, e descriminatória.
Bjs.