terça-feira, 27 de maio de 2008

Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas

António Marinho Pinto gosta de ter opiniões sobre tudo. (...)

Em relação à violência doméstica, o bastonário entende, de forma original, que esta deve deixar de ser um crime público. (...) E depois, em mais uma prova de anti demagogia, explicou as suas reticências. Em primeiro lugar, existe nestas leis "uma espécie de feminismo impertinente", "um certo fundamentalismo" de defesa das mulheres. O bastonário considera que, depois de ter sido espancada - desde que o marido não tenha deixado marcas "irreversíveis" -, a mulher "deve poder escolher em liberdade" se quer apresentar queixa ou desistir desta, seguramente após ponderar bem as ameaças físicas do marido, a vergonha perante os filhos e as consequências financeiras da sua decisão.

Marinho Pinto considera que é preciso alguma prudência nas penas e na obrigação de levar os processos até ao fim.

O bastonário não compreende porque é que o Estado se deve substituir à queixosa, mesmo que a violência provoque traumas profundos nas crianças menores, seja praticada à sua frente e comprometa para sempre a sua formação, e mesmo que grande parte das mulheres se arrependam de apresentar queixa depois de voltarem a ser ameaçadas e quando não têm dinheiro para sair de casa.

Para o bastonário, isso são detalhes. Os casos de violência doméstica resolvem-se em casa entre uma palmadinha na cara e um beijinho na testa. E quanto menos o Estado se meter, melhor. Em muitas das situações, diz Marinho Pinto, "a vítima não quer justiça - quer vingança" e isso, evidentemente, não se admite.

Perante argumentos com esta força, é difícil encontrar objecções consistentes.

Sábado, A Direcção

Alguém que espanque esta criatura?!

9 comentários:

Paulo Pedroso disse...

Que raio de tirada final é essa, Joana?

Ainda nos acusam de fomentar a violência e de sermos criminosos!

:-))

Além do mais, não vê que ele fala por experiência própria? A mulher sova-o todas as noites e ele não apresenta queixa porque é masoquista. Deve pensar que são todos como ele.

quink644 disse...

Eu conheço o homem e não é mau rapaz... por vezes excede-se um bocadinho... foi a seguir ao almoço ou ao jantar que ele disse isso?...

Alma Elétrica disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Madame Mao disse...

Já passou a Controleira, salivou, debitou Skinner, vai rezar e deitar-se (a conta que essa menina já deve ter acumulada com o deus da crendice dela, meu deus... )

Joana Dalila Santos disse...

Deve ter sido depois de almoçar, no sentido metafórico da palavra.

quink644 disse...

Porquê que se eliminam comentários???

Estaline disse...

Eliminam-se comentários, porque existe lixo humano que insiste em vir procurar protagonismo em lugares onde já não existe :-)

Heliogabalus disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Heliogabalus disse...
Este comentário foi removido pelo autor.